5 dicas para aumentar a segurança no acesso à Internet no mundo corporativo

6 minutos para ler

Com a transformação digital, as empresas passaram a produzir dados em volume e velocidades cada vez maiores — produção essa, que contribui para melhores tomadas de decisão e mapeamento de mercado. Porém, com a necessidade de integração cada vez maior, com servidores internos e externos, quando essas informações passam a ter contato com a internet, é necessário um olhar mais apurado em relação à segurança.

Quando falamos em segurança corporativa, temos que levar em conta 3 pilares: a confidencialidade, pois os dados só podem ser acessados por pessoas autorizadas; a integridade, para que os dados entreguem um valor real; a disponibilidade, pois, para entregar valor, os dados precisam ser de fácil acesso e disponíveis. 

Ao contrário do que muita gente possa imaginar, não são necessários rios de dinheiro para começar a trabalhar para otimizar a segurança na internet. Com algumas mudanças de atitude e investimentos pontuais, isso é possível. Confira como, neste post.

1. Desenvolva uma política de segurança digital

Dificilmente um gestor vai conseguir implementar e fiscalizar soluções de segurança na internet se a empresa não contar com uma política sólida de segurança digital. A criação de diretrizes dará aos colaboradores o caminho que eles devem seguir, permitindo aos gestores que eles tenham pontos específicos para analisar e fiscalizar, criando métricas e indicadores sólidos. 

Sabemos que muitos dos problemas de segurança dentro das empresas são causados por falhas humanas, por isso, é importante ter um controle maior sobre os programas que os colaboradores estão instalando nas máquinas, regras sobre utilização de smartphones, sobre uso de equipamentos pessoais, entre outras. Além de criar a política, é importante divulgá-la, para que ela não se torne apenas um texto burocrático e que seja colocada em prática.

2. Exija a criação de senhas complexas 

Muitos colaboradores, achando que estão ganhando tempo, acabam optando por criar senhas superficiais e fáceis de lembrar. O que eles não levam em conta é que esse suposto ganho de tempo pode custar muito caro para a empresa, caso haja algum tipo de invasão ou ataque a partir do login e senha deles. 

Nesse cenário, é de suma importância que a empresa coloque em sua política de segurança, regras para a criação de senhas complexas, com variações entre letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais. Essa regra tem que ser imposta e inserida nos próprios softwares corporativos, que só deverão liberar o registro de senhas que obedeceram a essas regras.

Há também outros dois pontos que devem ser observados em relação às senhas: o primeiro é a troca periódica, que reduzirá a possibilidade da senha ser descoberta por força bruta. O segundo é a autenticação de dois fatores, que cria outra camada de segurança para a proteção do acesso aos softwares e sistemas de gestão

Com a autenticação de dois fatores, além de digitar o usuário e a senha, é necessário a confirmação em outro meio, que pode ser um código enviado via sms, via email ou a confirmação em um outro programa específico.

3. Crie políticas de backups

O backup é uma das estratégias de segurança mais tradicionais do mundo corporativo e, nos dias atuais, com a automação e a computação em nuvem, está muito mais fácil de ser implementado. 

Criar uma cópia de segurança não é um gasto a mais de tempo ou de recursos, é uma maneira de perder menos produtividade e dinheiro, caso haja alguma problema de segurança que inutilize os dados. Por isso, importante que esse backup seja realizado de forma recorrente e que priorize os dados mais relevantes — que impactem diretamente no core business da empresa.

4. Mantenha os programas atualizados

 Ao contrário do que muita gente imagina, as atualizações de softwares não são implementadas apenas para agregar novas funcionalidades e fazer um upgrade na tecnologia. Muitos problemas de segurança são corrigidos nessa etapa, pois os criminosos virtuais estão sempre achando novas formas de burlar sistemas seguros. 

Quando uma fornecedora de software solta uma atualização nova, os criminosos virtuais ficam sabendo e começam a procurar por máquinas que estejam com software em questão, para tentar quebrar as vulnerabilidades dos usuários que estão com versão desatualizada. 

Por isso, mantenha sempre uma política de atualização automática dos software da empresa e dê preferência para os modelos SaaS, que são acessados em nuvem e que são monitorados e atualizados de forma automática pelo fornecedor.

5. Conheça o inimigo

Para manter a sua empresa protegida de problemas de segurança na internet, nada melhor do que conhecer esses problemas, para identificar as suas origens e impactos. Por isso, neste tópico, vamos conhecer os ataques virtuais mais comuns atualmente, que são:

  • Ataque DDoS — que consiste na sobrecarga dos servidores da empresa, provocando problemas de desempenho e até a paralisação completa da infraestrutura;
  • Port Scanning Attack — quando os criminosos, utilizando um malware, fazem o escaneamento de portas para identificar se há alguma vulnerável;
  • Ransomware — um ataque onde os criminosos virtuais sequestram os dados de uma empresa, exigindo o pagamento de resgate para liberá los;
  • Cavalo de tróia — como o nome sugere, é quando um usuário baixa um arquivo, programas ou executa um anexo de email que parece confiável, mas traz para dentro da máquina um problema;
  • Ataques de força bruta — são aqueles em que há a tentativa de invadir uma conta por meio de inúmeras combinações realizadas por minuto de usuário e senha;
  • Phishing — geralmente executada por email, esse ataque tem como foco a coleta de dados sigilosos de usuários por meio de um email que simula uma situação confiável.

Como vimos, a segurança na internet começa com atitudes simples e investimentos pontuais, mas deve ser aprimorada de acordo com o crescimento da empresa. Ao contrário do que muita gente imagina, a segurança digital não é um tema importante apenas para as grandes empresas. 

Organizações de todos os portes devem criar as suas estratégias e políticas, seja internamente, ou contando com a ajuda de parceiros especializados, que permitirão que você mantenha a sua infraestrutura segura, ao mesmo tempo que cuida de seu core business.

Gostou das nossas dicas? Quer saber como aumentar a segurança digital em sua empresa, em todos os aspectos, contando com um parceiro especializado? Entre em contato conosco e conheça os nossos diferenciais.

Posts relacionados

2 comentários em “5 dicas para aumentar a segurança no acesso à Internet no mundo corporativo

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.