Gerenciamento de riscos: qual a importância e como implantar na TI?

6 minutos para ler

Com maior agilidade e aumento da exigência dos clientes sobre a área de TI, falhas não são mais perdoadas. Por isso, é fundamental que os gestores cada vez mais estejam atentos para encontrar falhas e saber como corrigi-las, bem como identificar eventuais riscos existentes e saber como contorná-los, caso ocorram.

Afinal, os riscos nas atividades de TI são diversos, não é mesmo? Ciberataques, perdas de equipamentos, falhas nos processos, bugs, inatividades, entre outros pontos merecem atenção não só para mitigá-los, mas também para saber como agir em caso de problemas.

Vamos trazer a seguir informações sobre a importância do gerenciamento de riscos e como implantá-lo na TI. Boa leitura!

O que é o gerenciamento de riscos em TI?

O gerenciamento de riscos em TI trata-se de uma atividade na qual os profissionais analisam quais são os riscos envolvidos que podem atrapalhar questões sobre funcionamento e continuidade das operações realizadas neste ambiente.

Qual a importância do gerenciamento de riscos em TI?

O gerenciamento de riscos em TI ganha importância, principalmente, porque temos um aumento significativo das atividades que podem causar danos a essas questões nas empresas. Por exemplo, temos uma expansão significativa não só das quantidades de ciberataques, mas também de sua gravidade (um dos principais casos que podemos ver é o ransomware).

Além disso, os riscos também existem no ambiente interno e, muitas vezes, nos esquecemos deles. Por exemplo, você considera que o negócio pode ter problemas com inundações e desmoronamentos, prejudicando os dispositivos físicos? Se não, é hora de pensar nisso.

Assim, o gerenciamento de riscos de TI tem alguns objetivos importantes para as empresas, entre eles:

  • mitigar problemas;
  • identificar o que fazer em caso de sinistro;
  • prevenção de roubos de dados e eventuais ataques virtuais;
  • backup de dados importantes e críticos para a organização;
  • agilização do processo de recuperação de dados;
  • identificação de eventuais ciberataques;
  • estabelecimento de indicadores e métricas que permitam analisar riscos;
  • garantia de funcionamento de sistemas e atividades ligados a eles;
  • traçar medidas e comportamentos que os profissionais devem ter quando há um sinistro ocorrendo.

Como implantar o gerenciamento de riscos em TI?

Fato é que cada empresa terá o seu gerenciamento de riscos em TI realizado da forma que for mais adequada para suas rotinas. Contudo, há algumas diretrizes que podem nortear os processos de implantação desse processo e, assim, obter melhores resultados.

Por isso, vamos trazer algumas dicas a seguir que podem ajudá-lo neste processo. Encare isso como um guia e adote aquilo que fará melhor sentido para suas rotinas.

Faça uma análise

O primeiro passo é um dos mais importantes e, também, mais delicados, pois determina todos os demais: analisar quais são os riscos existentes atualmente. Para isso, é importante pensar neles não só no que diz respeito a cibercrimes, mas também outras questões que permeiam perigos para a área de TI, entre eles:

  • questões que prejudiquem performance;
  • questões que possam afetar o funcionamento físico dos dispositivos;
  • questões de falhas humanas;
  • questões sobre problemas éticos de colaboradores;
  • questões que dependam de ações de terceiros (como atualizações de sistemas operacionais), entre outros.

Estabeleça as metas

Qual é a situação atual no que diz respeito aos riscos? E o que esperar para o futuro? Essas duas questões são fundamentais para você traçar metas importantes para mitigar riscos. É fundamental que isso esteja alinhado, principalmente, com os demais objetivos do negócio.

Por exemplo, se está traçando soluções para e-commerce, tempo de instabilidade e paralisação dos serviços é uma métrica importante a ser analisada e otimizada. Assim, pode ser possível estabelecer objetivos para diminuir os tempos de parada da plataforma.

Planeje respostas ao risco

Não adianta apenas tentar mitigar a ocorrência de riscos, afinal, muitos deles não podem ser completamente impedidos. Por exemplo, você consegue impedir que um sistema operacional possa ter brechas de https://blog.4biit.com/4-pontos-que-voce-deve-considerar-ao-fazer-a-gestao-de-vulnerabilidade/es de conscientização dos seus colaboradores para minimizar as chances de erros humanos, mas isso não impede que eventualmente eles ocorram. A partir disso, é fundamental saber o que fazer, justamente, para minimizar eventuais prejuízos e, assim, evitar que os danos se estendam.

Essa é uma etapa muito importante, pois é a parte de contenção de um sinistro. Quanto mais tempo demorar para que ocorram, maior a extensão do problema e, assim, torna-se ainda mais difícil para resolver a situação.

Conte com boas práticas de segurança

Com a análise de riscos em mãos e as metas definidas, é possível traçar quais são as boas práticas de segurança que são fundamentais para evitar esses pontos. É fundamental que as práticas estejam alinhadas com os riscos encontrados ou, caso contrário, você poderá abordar pontos desnecessários e deixar brechas em aberto de questões que não precisam daqueles protocolos ou, então, não adotar as medidas necessárias para pontos importantes.

Por isso é fundamental estabelecer protocolos importantes para proteger todos os riscos existentes. Alguns dos mais comuns que são adotados são:

  • antivírus;
  • antimalware;
  • antispyware;
  • antiphishing;
  • antispam;
  • antiadware;
  • antikeylogger;
  • antipopup;
  • firewall.

Use soluções digitais

Além de tudo que falamos, as soluções digitais são fundamentais para que você consiga ter um controle dos riscos de forma mais eficiente. Elas são importantes, muitas vezes, para monitoramento de sinistralidade que estão em vias de acontecer e, assim, impedir que o problema configure-se, de fato.

Por exemplo, uma solução de monitoramento de tráfego permite analisar quando há um aumento no número de solicitações de forma inesperada, o que pode representar uma chance de um ataque DDoS. Com isso, é possível tomar as medidas necessárias para evitar que ocorra uma interrupção do serviço e prevenir a sinistralidade.

Além de tudo que falamos, é fundamental monitorar e revisar as etapas do gerenciamento de riscos. Por meio dele é possível identificar quais são as principais questões envolvidas que precisam de algum tipo de ajuste e, assim, adequar as medidas traçadas para obter melhores resultados.

O gerenciamento de riscos é fundamental para que você possa garantir melhores resultados para as ações de TI do seu negócio. Com o aumento das questões existentes no momento, torna-se importante estarmos atentos para minimizar as chances de sinistralidade e, assim, causar problemas para os negócios.

Como falamos, é importante considerar adequar essas questões para a realidade da sua empresa. Assim, conseguirá ter um processo de acordo com as suas demandas e questões. Mas a base de um gerenciamento eficiente está nos passos que trouxemos anteriormente.

Gostou do conteúdo? Achou interessante? Ele está adequado para suas questões? Se ainda ficou alguma dúvida, deixe nos comentários e responderemos a você.

Posts relacionados

4 comentários em “Gerenciamento de riscos: qual a importância e como implantar na TI?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.